A tireoide e seus problemas

Nesta matéria vou falar um pouco sobre as patologias que podem atacar à tireoide. Trata-se de um apanhado geral para que você saiba que estas patologias existem devendo ser tratadas por um especialista no assunto, no caso um endocrinologista. Posteriormente, numa outra matéria, vou abordar sobre hipotireoidismo e algumas controvérsias sobre esta patologia.

Hipotireoidismo congênito: De origem hereditária impossibilita o organismo de fabricar hormônios tireoidianos (T4) sendo uma das causas mais frequentes de retardo mental. Seu diagnóstico é feito ainda no berçário através do teste do pezinho. Este exame é obrigatório em todo o território brasileiro e assim que diagnosticado o tratamento é prontamente instituído sem que a criança sofra danos no seu desenvolvimento. Infelizmente neste caso o uso correto de hormônio tireoidiano se faz necessário para o resto da vida. A incidência de hipotireoidismo congênito é de 1: 4.000 recém- nascido.

Bócio: É o aumento da glândula tireoide que pode ser por um hipertireoidismo ou hipotireoidismo. O diagnóstico é feito através do autoexame e têm como sintomas dificuldade para engolir, respirar, rouquidão e tosse seca. Quando o bócio aparece devemos procurar um especialista para detectar a causa e instituir o melhor tratamento.

Tireoidites: É um conjunto de doenças inflamatórias que afetam a glândula tireoide alterando sua função, podendo levar à um hiper ou hipo funcionamento. As tireoidites podem ser:

1) Tireoidite subaguda ou de Quervain - de causa desconhecida causa um aumento doloroso da glândula e liberação de grandes quantidades de hormônios na corrente sanguínea.

2) Tireoidite pós-parto – acomete 5 à 10% das mulheres alguns meses pós parto levando à um aumento dos hormônios que pode durar por cerca de dois meses e posteriormente uma queda nos níveis hormonais levando á um hipotireoidismo transitório ou permanente.

3) Tireoidite silenciosa – semelhante ao quadro anterior sem que haja gravidez.

4) Tireoidite crônica ou de Hashimoto – é uma patologia de origem auto –imune que pode levar ao hiper, hipo ou até mesmo ao funcionamento normal da glândula (eutireoidismo). Sua característica é a presença de um bócio indolor.

5) Tireoidite fibrótica ou de Rider – distúrbio fibro-inflamatório da glândula que leva a um hipotireoidismo que podem agir de forma lenta e progressiva se não houver tratamento levando a destruição da glândula. Pacientes com este mal podem sentir disfagia, falta de ar e sensação de sufocamento.

Câncer de tireóide: É um tipo raro de câncer, mas que pode ter seu diagnóstico precoce facilitando o tratamento e a expectativa de vida. Sua maior prevalência são as mulheres, mas pode afetar também homens (3:1). A idade de aparecimento vai dos 25 aos 65 anos e o diagnostico é feito pelo autoexame quando se identifica um nódulo na tireoide que deve ser examinado e biopsiado para determinar se é maligno ou não. Só por curiosidade cerca de 10% da população apresentam nódulos tireoidianos, mas deste porcentual apenas 10% apresenta malignidade.

Hipertireoidismo: Ocorre um aumento na produção hormonal, levando à um aumento do metabolismo corporal. A forma mais comum de hipertireoidismo é uma patologia denominada doença de Graves.

Dra Liliane Lemesin
CRM: 80189