Descobrindo Fatores de Crescimento

Existe uma recente descoberta na medicina que vem encantando a todos que entram em contato com ela com pesquisas em várias áreas e apresentando bons resultados. Eu, pessoalmente confesso que estou encantada. Estou falando de fatores de crescimento.

Fatores de crescimento são proteínas secretadas por várias células do corpo como plaquetas, macrófagos, fibroblastos, células endoteliais. Estas proteínas se unem a seus receptores celulares, situados na membrana celular, e desta forma mandam mensagens produzindo várias proteocinases que ativam uma cascata de sinais ativando vários gens, desta forma eles acabam controlando a vida celular e assim estimulam sua sobrevivência, sua duplicação (mitose), sua migração e se for preciso sua morte (apoptose).

Todo este processo é de extrema importância num tecido danificado seja por uma lesão, um déficit qualquer ou até mesmo no processo de envelhecimento. E o mais importante de tudo isso é que não é preciso grandes quantidades para que ele possa agir.

Há duas formas de se obter fator de crescimento:

A primeira denominada PRP (plasma rico em plaquetas) consiste na retirada de pequena quantidade de sangue da pessoa, este sangue é colocado num tubo de ensaio, centrifugado em alta rotação, isto fará com que ocorra a separação do plasma que é rico em plaquetas e neutrófilos do resto do sangue. Quando estas plaquetas são ativadas, após aderirem ao tampão de plaqueta, além de liberarem fator de coagulação elas liberam vários fatores de crescimento, este gel de plaquetas então é utilizado sendo reaplicado na lesão do paciente. É um método indolor, graças a ação dos leucócitos, de rápido reparo e sem efeitos colaterais já que é de material autólogo ( do próprio paciente).

A segunda maneira é por biotecnologia, pela técnica de proteínas recombinantes- a mesma técnica adotada na produção de vacinas, antibióticos e enzimas. Um sequenciamento de aminoácidos obtidos do DNA humano é inoculado na bactéria E. coli, que, por processo fermentativo, produz os fatores de crescimento. Após o processo de isolamento e purificação, eles são nanoencapsulados a fim de viabilizar a permeação cutânea (biodisponibilidade) e proteção contra as proteases.

Várias áreas da medicina vêm utilizando os fatores de crescimento com bons resultados como ortopedia, dermatologia, cirurgia plástica, medicina estética, angiologia/medicina vascular, odontologia, entre outras, mas é na área da cosmetologia que ele vem avançando bastante.

Hoje temos graças a pesquisas feitas nesta área, desenvolvimento de peptídeos derivados de fatores de crescimento. Mas o que são esses peptídeos? O que eles fazem? Esses Peptideos são derivados dos fatores de crescimento e apresentam algumas ações produzidas pelo fator de crescimento mais potencializadas. Por exemplo, temos o peptídeo TGP-2 que é derivado do fator de crescimento TGF-β3, também conhecido como fator de crescimento transformador. Basicamente o TGF-β3 é um excelente cicatrizador e anti aging ,ele tem um efeito pouco negativo sobre crescimento do cabelo (inibe) e não atua na pigmentação da pele mas, seu derivado TGP-2, não atua na cicatrização mas tem um potente poder despigmentatante e é um potente inibidor do crescimento de pelos.

Outro peptídeo que vem fazendo sucesso e não só na área da cosmetologia é o IDP-2. Este Peptideo age nas três camadas da pele, o que faz dele um excelente preenchedor e regenerador, ele está sendo usado com sucesso em caso de cicatrizes cirúrgicas extensas e de difícil cicatrização, mas também em ulceras de difícil tratamento como as de pés diabéticos e ulceras varicosas que não conseguem fechar.

Há ainda muita pesquisa sendo feita sobre seu uso, muito ainda há por se descobrir, por enquanto ficamos no aguardo.

Dra Liliane Lemesin
CRM :80189