Colesterol - Fique por dentro

Vamos dar sequencia a esta série de matérias sobre colesterol explicando agora para que serve e como funciona cada fração do colesterol. Como eu disse na matéria anterior, apenas 30% do colesterol total vem de fora da alimentação, o restante, cerca de 70% é o nosso organismo quem produz, portanto, ele deve ser importante para o bom funcionamento do organismo, vocês não acham?

Pois é o colesterol, não é este vilão todo que estão pintando por aí. Ele é responsável por várias funções no organismo e vou citar agora as principais. O colesterol faz parte da formação das membranas celulares e sem ele a célula sofre porque perde a fluidez e dificulta a passagem de substâncias de dentro para fora e de fora para dentro. Sem este processo, nosso organismo todo sofre, porque as células começam a não desempenhar totalmente suas funções.

O colesterol é fonte primordial para a formação de grande parte dos nossos hormônios. Só para você saber, no nosso organismo, uma parte do nosso colesterol vai ser transformada em pregnonelona. A pregnonelona então sofre transformação para um hormônio denominado DHEA (dehidroepiandrosterona) e SDHEA (sulfato de dehiroepiandrosterona), que por sua vez vão originar outros hormônios : cortisol, testosterona, progesterona e estrógenos.

Mas não para por aí, o colesterol ainda é responsável pela síntese de vitamina D, também conhecida como colecalciferol. O colesterol também é componente da bile, uma substância liberada pela vesícula bilear e responsável pela digestão de alimentos. Ou seja, ele é importantíssimo no nosso organismo e estas funções não podem deixar de ser considerada quando o assunto é baixar colesterol.

Vou agora tentar explicar para vocês como este colesterol funciona no nosso organismo e tentar deixar claro o que é cada parte, desta forma, quando você ouvir falar delas vai ficar mais fácil entender do que se trata. O colesterol é medido e dividido em frações: HDL, LDL, IDL e VLDL. Além do colesterol ainda temos os triglicérides. O que são e o que fazem cada um deles?

Vamos por partes:

Quando consumimos gordura na dieta, ela sofre o processo de digestão e é transformada em ácidos graxos livres, três moléculas de ácidos graxos livres se juntam a uma molécula de glicerol formando o que chamamos de triglicerídeos. Estes triglicerídeos caem na corrente sanguínea sendo transportado até o fígado na forma de quilomícron. Outra fonte de triglicerídeos vem do processo de metabolismo glicídico celular (carboidratos), que quando em excesso se transforma em ácidos graxos livres e após em triglicerídeos servindo como fonte de armazenamento de energia, função primordial deste tipo de gordura. Ele fica estocado no tecido adiposo e é responsável pela formação do tecido gorduroso. Quando há formação excessiva de triglicerídeos, este fica na corrente sanguínea, podendo ser tão prejudicial como a fração LDL na formação da placa de aterosclerose.

O colesterol produzido no fígado e absorvido na dieta não pode circular livremente pela corrente sanguínea, para que isto ocorra, ele se liga a uma proteína denominada lipoproteína. As lipoproteínas são aglomerados de lipídeos, triglicerídeos, colesterol, ácidos graxos e uma apoproteína, e conseguem circular livremente pela corrente sanguínea e desta forma temos a formação da VLDL, IDL,LDL e HDL.

A VLDL, também conhecida como lipoproteína de muito baixa densidade, é formada no fígado e tem função de transportar colesterol e triglicerídeos, sendo captadas pelos adipócitos aonde liberam triglicerídeos para depósito ou sofrem oxidação no músculo para a produção de energia. Parte destas lipoproteínas sofre ação enzimática na corrente sanguínea formando a IDL.

A IDL (lipoproteína de densidade intermediária) tem duas funções: parte dela retorna ao fígado sendo ressintetizada em VLDL e parte sofre ação enzimática sendo transformada em LDL.

A LDL (lipoproteína de baixa intensidade) tem a função de levar o colesterol para os outros tecidos para que este cumpra as suas funções, mas uma parte pode sofrer oxidação e se transformar em placas de aterosclerose, grande vilã dos nossos tempos.

A HDL (lipoproteína de alta densidade) também conhecida como mocinha da história, faz o caminho inverso da LDL, ela transporta o colesterol de volta para o fígado, fazendo uma verdadeira faxina no organismo, pois ela capta o colesterol que ficou excedente nos vasos sanguíneos e nos órgãos, levando novamente ao fígado aonde este acaba sendo remanejado ou eliminado no intestino na forma de bile.

Além das já tão conhecidas lipoproteínas, alguns nomes novos vêm surgindo ultimamente e vale a pena ser citados já que tem muita relevância no assunto. São as apoproteinas: apo- A1 e apo- B.

A apolipoproteína A-1 (apo A-I) é o principal componente protéico da partícula HDL. Participa da remoção do excesso de colesterol dos tecidos, sendo responsável pela ativação da colesterolaciltransferase que esterifica o colesterol plasmático. Da mesma forma que o HDL, é um fator de proteção contra doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral, estando sua concentração baixa em pacientes com doença arterial coronariana.

A apolipoproteína B (apo B-100) é um grande polipeptídeo, sendo o principal constituinte das partículas VLDL, IDL, LDL e da lipoproteína (a). A maioria da apo B-100 circulante encontrasse na partícula LDL sendo um fator de risco para doença coronariana. Fornece medida precisa do risco coronariano a pacientes com triglicérides elevados. Estudos sugerem que as determinações de apo A-I e apo B têm maior poder discriminatório, por apresentarem menores variações analíticas, que HDL e LDL, respectivamente, na definição do risco cardiovascular.

Outra nova substância, pouco pesquisada pelos médicos, mas de fundamental importância no controle da placa de aterosclerose é uma lipoproteína denominada LpA . O LpA é fabricado pelo fígado e tem aparência semelhante a LDL porém é muito mais prejudicial do que esta no quesito formação de placa ateromatosa já que possui ação trombogenica, tem facilidade em se aderir a parede dos vasos e chegar a intima média, oxida-se com facilidade formando células espumosas.

Bom como você já conhece tudo sobre colesterol a próxima matéria será sobre colesterol e risco cardíaco.
Até breve!

Dra Liliane Lemesin
CRM: 80189